Visão:

Buscar liderança no mercado de farinhas e misturas especiais, sendo a empresa mais lucrativa do segmento.

Missão:

Atuar no mercado de alimentos, gerando valor à organização e aos nossos parceiros de forma consistente.

Valores:

G – Gerar valor
E – Excelência na execução
N – Nutrir o espírito empreendedor
T – Treinar e capacitar a equipe
E – Envolver-se na organização

Certificação:

NBR ISO 9001 – Sistema de Gestão da Qualidade

O Moinho globo foi uma das primeiras indústrias alimentícias no Brasil a obter certificações alinhadas com os requisitos da família de Normas NBR ISO 9000, em 1997.

Prêmios

História

1952

1952

Surge o sonho de um moinho

Ciro Venturelli, proprietário de uma pequena padaria, tinha dificuldades em conseguir farinha de trigo de qualidade para abastecer a sua produção. Surgiu, então, a ideia de construir um moinho, mas Ciro precisaria tomar uma importante decisão: numa terra onde todos falavam da riqueza do café, valia a pena abraçar o risco de investir no trigo? Movido por seu forte espírito empreendedor, Ciro apostou em sua ideia.

1953

1953

Finalização da Construção em Alvenaria

Movido por seu sonho, Ciro viajou até Curitiba e, posteriormente, ao Rio Grande do Sul em busca de artigos e máquinas para moinhos. Quando retornou, já para a construção finalizada de alvenaria do moinho, o problema era outro: Não havia trigo plantado no Norte do Paraná para que o moinho pudesse moer. Ciro, então, teve outra ideia corajosa: investir no plantio de trigo, tornando-se o pioneiro dos pioneiros da tricultura.

1954

1954

Equipe Pioneira

O moinho começou oficialmente suas atividades com a primeira equipe de trabalho, formada pelos irmãos Venturelli, os filhos de Ciro: Américo, Ardo, Beppe e Orlando.

1960

1960

Moinho e Padaria Globo crescendo

O moinho moía cada vez mais, a padaria fazia cada vez mais pães e a tricultura se espalhava cada vez mais pela região. Foi nessa época que o governo federal incentivou a importação de colheitadeiras, o que permitiu que o Moinho Globo adquirisse novos equipamentos da Europa, aumentando a sua produção!

1960

1960

Farinha de Trigo Famiglia Venturelli

A história da farinha de trigo Famiglia Venturelli começou bem antes do início de sua produção industrial, em meados dos anos de 1960. Naquela época, as farinhas eram mais escuras, devido aos equipamentos e processos de fabricação. Buscando produzir uma farinha mais clara e pura, Orlando Venturelli, um dos proprietários do Moinho Globo - filho do fundador, Ciro Venturelli - dedicou-se com afinco e acabou por criar a primeira versão da Famiglia Venturelli. Extravirgem, essa farinha era tirada no moinho, recém-saída da extração, e proveniente da sêmola mais limpa, de alto grau de pureza. Muito fresca, foi então levada para as mãos de done Genoeffa Venturelli, esposa de seu Orlando, que a batizou como "farinha flor". Cozinheira habilidosa, dona Genoeffa logo passou a usar a "farinha flor" em suas receitas italianas especiais. Aqueles eram, de fato, momentos incomparáveis para a família. E assim as delícias preparadas pela esposa de seu Orlando aos poucos foram ganhando fama e conquistando paladares. Era comum que, de vez em quando, algum parente ou conhecido pediam um pouco da "farinha flor", pois todos adoravam e sabiam que não havia produto igual. E desses pedidos pela farinha especial veio então a ideia de lançá-la no mercado, em escala muito pequena, já sob a marca Famiglia Venturelli. Diante da excelente aceitação, criteriosos estudos foram realizados para viabilizar o aumento da produção. Hoje, a fabricação da Famiglia Venturelli atende vários tipos de embalagens e mercados. Mas continua sendo feita a partir de uma reserva limitada mensal, de forma a manter o padrão da "farinha flor" original, que a coloca com a melhor farinha de trigo existente no país.

1964

1964

Tricultura Congelada

Durante o regime militar, o governo, interessado em controlar a tricultura especialmente por causa do compromisso que havia de comprar trigo dos Estados Unidos, instituiu medidas para fazer com que o parque moedor se tornasse imóvel. Não eram permitidas novas instalações de moinhos, e tampouco expansão dos existentes. Foi um período estagnado, com a tricultura nacional esmagada e congelada.

1966

1966

Moinho Globo sempre crescendo

Apesar do momento engessado, o Moinho Globo não parou de crescer. Enquanto 90% dos moageiros tinham sido prejudicados com a criação do sistema de cotas, o moinho conseguiu manter-se firme em meio às adversidades e limitações: graças à qualidade da farinha, e ao compromisso de sempre percorrer as linhas de venda, a clientela só aumentava. Foi decidido, então, construir um novo e moderno moinho.

1967

1967

Aumento das Cotas do Moinho

Com a construção do novo moinho concluída, o governo ainda colocava entraves no fornecimento de trigo. Além de comprovar a suficiência da cota, o Moinho Globo precisou aumentá-la, e fez isso através da aquisição de outros três moinhos e parte de um quarto. Ao final de todo o processo de compras, Moinho Globo tinha saltado de 8 toneladas/dia de moagem para 40 ton/dia.

1989

1989

Reforma Interna

Com o governo federal finalmente desatrelando o setor moageiro de trigo de sua tutela, surgiu a realidade da competitividade do mercado livre. Para sobreviver no mercado, seria necessário moer, no mínimo, 100 toneladas/dia. Crescer era uma necessidade, e, para isso, foi realizada uma grande reforma interna. Nesta realidade, o Moinho Globo não parou mais de crescer!

2005

2005

Consolidação do Moinho Globo

A empresa passou por uma de suas maiores ampliações: a implantação de uma nova unidade, que aumentou a capacidade de produção do Moinho Globo em 51%. Hoje, a empresa está consolidada como uma das maiores e mais modernas indústrias do setor.

2015

2015

Novo Moinho Globo em Construção

O novo Moinho Globo está em construção, e o ritmo das obras é acelerado. A previsão é que o novo prédio da indústria esteja pronto em julho de 2016. A nova sede terá 25 mil m², e a capacidade de moagem será de 600 toneladas por dia – um crescimento de 33% em relação à produção atual.

Política e Programa de Qualidade

Desde 1997, o Moinho Globo possui certificações alinhadas com os requisitos da família de Normas NBR ISO 9000 – tendo sido o primeiro moinho de trigo a conseguir a certificação e também uma das primeiras indústrias alimentícias brasileiras. Hoje, o Moinho Globo é uma organização Certificada pela NBR ISO 9001:2008 – Sistema de Gestão da Qualidade, sob o número de registro certificado Q-00631.A Política de Qualidade do Moinho Globo consiste em:“Proporcionar aos clientes satisfação ao adquirir nossos produtos, atendendo suas necessidades e exigências, bem como as legislações aplicáveis à indústria de alimentos, buscando a melhoria contínua de nossos processos e a capacitação tecnológica e humana de nossa organização.”Isso quer dizer que os produtos Moinho Globo atendem às exigências de seus clientes desde o pedido de compra quanto a: Qualidade, Variedade/Espécie, Preço, Prazo para Pagamento, Atividades de Entrega, e também Atividades Pós-Entrega, como pesquisas de satisfação e assistência técnica. Além disso, os produtos Moinho Globo atendem às exigências legais estatutárias, cumprindo normas e portarias de órgãos como: ABNT, ANVISA, INMETRO, RBC e ABITRIGO, atendendo também às exigências legais e normas regulamentares NR11, referente a transporte, movimentação, armazenagem e manuseio de materiais e produtos, NR12, referente à maquinas e equipamentos, e, por fim, a NR 23, referente à proteção contra incêndio.

Assinar Newsletter

© Moinho Globo - desde 1954 | Todos os direitos reservados

Agência Digital: K2 Estratégia Digital